Arquitetura e Urbanismo

Denominação

Curso de Arquitetura e Urbanismo

Turno de funcionamento

Noturno

Número de vagas anuais

50

Duração

5 anos, perfazendo um total de 3.700 horas

Limite Mínimo: 10 semestres

Limite Máximo: 16 semestres

Dimensionamento das turmas

Turmas com no máximo 50 alunos

Regime de matrícula

Semestral

Mensalidades (2019)

2º período - R$ 1.282,00

4º período - R$ 1.282,00

6º período - R$ 1.334,00

8º período - R$ 1.334,00

10º período - R$ 1.334,00

 

Ato regulatório

Modalidade: Bacharelado em Arquitetura e Urbanismo. Reconhecido pelo MEC conforme Portaria nº 824 de 22/11/2018, Data de Publicação 26/11/2018

Coordenação

Prof.ª Michelle Ramos Bernardes Dias Martins

Formação: Possui graduação em Arquitetura e Urbanismos pela Universidade Federal de Uberlândia (2007). Especialização no Curso de Especialização de Engenheiro Civil - Edificações,pelo Programa de Mobilização de Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural (Prominp - em parceria com a Petrobrás) na FEM-UNICAMP (Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas - Campinas/SP. Esspecialização em Master em Arquitetura pelo IPOG - Uberaba. Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Projeto de Arquitetura e Urbanismo.

Ano  em que ingressou na instituição: 2009

Lattes: http://lattes.cnpq.br/6363673992013662

Sobre o curso

O mercado de trabalho, atualmente, pede arquitetos e urbanistas que entendam a sociedade e suas necessidades, assim como as transformações dinâmicas que estão acontecendo quase que diariamente. É esse o profissional que a UNICERP quer formar: um arquiteto com conhecimentos sólidos para projetar, construir e reformar edificações dos mais variados portes. O aluno ao se formar terá capacidade para trabalhar nas áreas de desenvolvimento e planejamento urbano, preservação e restauração de patrimônio histórico. Terá também condições para atuar não só na área de arquitetura, como ainda exercer tarefas de consultoria, assessoria e gerenciamento de obras. Estará apto para realizar vistorias, laudos, avaliações e pareceres e ainda dedicar-se ao ensino e à pesquisa. Assim será o nosso futuro Arquiteto.

Mercado de trabalho

O profissional formado em Arquitetura e Urbanismo pode atuar nas seguintes áreas: Arquitetura de Edificações; Paisagismo; Arquitetura de Interiores; Patrimônio Cultural; Meios de Expressão e Representação; Topografia; Materiais; Instalações; Conforto Ambiental; Planejamento Urbano Regional; Meio Ambiente; Urbanismo; História da Arquitetura; Comunicação Visual; Computação Gráfica aliada a Arquitetura.

Há diversas possibilidades de entrada no mercado de trabalho para o profissional de Arquitetura e Urbanismo. As principais oportunidades são em construtoras, instituições de ensino e pesquisa, escritórios de arquitetura e escritórios de engenharia. Vale lembrar que o jovem profissional que possuir espírito empreendedor pode abrir seu próprio negócio ou trabalhar de forma independente, como profissional liberal.

QUANTO GANHA UM ARQUITETO?*

*Fonte: Educa Mais Brasil

Salário médio

-

Trainee/Júnior

R$ 2.735,67 a R$ 5.779,11

Pleno

R$ 4.274,49 a R$ 7.223,89

Sênior/Master

R$ 5.343,11 a R$ 11.287,33

Formas de acesso ao curso

O acesso ao curso de Arquitetura e Urbanismo do UNICERP pode ser feito por uma das opções abaixo:

• Exame vestibular realizado anualmente;

• Pela nota do ENEM;

• Matrícula com isenção de processo seletivo (vestibular) para portadores de diploma de graduação (para vagas remanescentes);

• Matrículas decorrentes de transferências externas para alunos cursando Arquitetura e Urbanismo em outras IES (para vagas remanescentes);

• Matrícula decorrente de mudança de curso, para alunos já matriculados em outros cursos do UNICERP (para vagas remanescentes).

Estude em 2020

Mais informações

Entende-se por Atividades Complementares aquelas realizadas pelo aluno do Curso Superior de Arquitetura e Urbanismo e relacionadas com os conteúdos ministrados durante o desenvolvimento do curso e são relacionadas a seguir:

I – atividades voluntárias desenvolvidas com organizações privadas, públicas e não governamentais que estejam de acordo com o contexto básico da profissão de arquiteto e urbanista;

II – participação em palestras;

III – participação em seminários, mesas redondas, fóruns, simpósios e congressos;

IV – iniciação científica;

V – produção de artigo científico desde que seja submetido ou aprovado em congressos ou revistas científicas da área de engenharia ou áreas afins;

VI – participação em núcleo de estudos e/ou de pesquisas;

VII – participação em atividades de extensão;

VIII – disciplinas extracurriculares internas levando em consideração critérios de afinidade com o curso;

IX – desenvolvimento de protótipos, materiais, técnicas de execução e projetos extracurriculares.

 

Clique e acesse o Regulamento de Atividades Complementares

As formas de avaliação são normatizadas pelo Regimento Interno e Resoluções do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão.

REGIMENTO GERAL DO UNICERP - Aprovado em reunião do Conselho Universitário do Centro Universitário do Cerrado Patrocínio - UNICERP, em reunião no dia 26 de dezembro de 2006.

 

CAPÍTULO VI

DO REGIME DE PROMOÇÃO

SEÇÃO I

DAS AVALIAÇÕES PARCIAIS

Art. 116 – A verificação do desempenho acadêmico será feita por disciplina, compreendendo a apuração do rendimento escolar e da assiduidade.

Art. 117 – O rendimento escolar será aferido através de avaliações parciais realizadas ao longo do semestre letivo e pelo exame final.

Parágrafo Único – As avaliações para aferimento do rendimento escolar, de acordo com a natureza da disciplina, poderão ser realizadas de múltiplas formas, processos e técnicas adequadas a cada situação, conforme normas a serem baixadas pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão.

Art. 118 – Ao final de cada bimestre letivo será atribuído ao aluno uma nota resultante da somatória de pelo menos, duas formas de avaliação.

§ 1º Nas disciplinas com mais de duas aulas semanais deverão ser aplicadas pelo menos duas provas escritas e uma outra forma de avaliação.

§ 2º Será facultado, nas disciplinas com até 2 (duas) aulas semanais, ouvido o Colegiado de Curso, a aplicação de apenas uma prova escrita e outra forma de avaliação, para obtenção da nota bimestral.

§ 3º Ficarão a critério do Colegiado de Curso, aprovados pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, a forma e o número de avaliações nas disciplinas ministradas nos estágios supervisionados.

Art. 119 – A forma e os critérios estabelecidos para obtenção das médias bimestrais de cada disciplina deverão constar dos planos de ensino aprovados pelo Colegiado de Curso, os quais deverão ser comunicados aos alunos no início do semestre letivo.

Parágrafo Único – Caberá ao professor da disciplina escolher a forma de avaliação e sua aplicação, bem como proceder ao respectivo julgamento.

Art. 120 – O resultado da avaliação bimestral será expresso em escala de (0) zero a (100) cem, sem casa decimal.

Art. 121 – É assegurado ao aluno o direito de requerer, via Protocolo, a revisão de provas escritas e gráficas, desde que devidamente fundamentada e no prazo de 48 (quarenta e oito) horas a contar da divulgação da nota pelo professor em sala de aula.

Parágrafo Único – O processo de revisão de prova e seus possíveis recursos serão regulamentados pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão.

Art. 122 – O aluno que deixar de comparecer à prova escrita, gráfica, oral ou de outra forma de avaliação pré-determinada, bem como ao exame final, deverá requerer segunda chamada junto ao Protocolo, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, justificando a ausência e apresentando documento comprobatório, se solicitado.

Parágrafo Único – Caberá ao Diretor de Ensino de Graduação, com base no parecer do professor da disciplina, o deferimento ou não do pedido.

Art. 123 – As notas bimestrais e a média resultante do exame final deverão ser encaminhadas ao setor competente nos prazos fixados pelo calendário escolar.

 

SEÇÃO II

DOS EXAMES FINAIS

Art. 124 – Será concedido exame final ao aluno que, com frequência mínima de 75 (setenta e cinco por cento) obtiver na disciplina, média inferior a 60 (sessenta) e igual ou superior a 40 (quarenta).

Art. 125 – Não haverá exame final nas disciplinas que envolvam conteúdos essencialmente práticos.

§ 1º Além dos estágios supervisionados, os Colegiados de Cursos poderão indicar outras disciplinas que, por sua natureza essencialmente prática, torna impossível ou inadequada a aplicação do exame final, a serem aprovadas pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão.

§ 2º A nota mínima de aprovação, nestes casos, deverá ser igual ou superior a 60 sessenta.

 

SEÇÃO III

DA APROVAÇÃO E REPROVAÇÃO

Art. 126 – Será considerado aprovado, em cada disciplina, sem exame final, o aluno que, cumprir a exigência de 75% (setenta e cinco por cento) de frequência, obtiver média igual ou superior a 60 (sessenta), resultante da média aritmética das notas atribuídas nos bimestres, passando esta média a constituir sua nota final na disciplina.

Art. 127 – Será considerado aprovado, após o exame final, o aluno que obtiver média final 60 (sessenta), resultante da média aritmética entre a média semestral e a nota do exame final.

Art. 128 – Será considerado reprovado na disciplina o aluno que:

a) tiver média semestral inferior a 40 (quarenta);

b) tiver obtido média semestral inferior a 60 (sessenta), após a realização do exame final;

c) tiver frequência inferior a 75% (setenta e cinco por cento); que podem ser acessados nos links abaixo: [o arquivo está disponibilizado em pdf].

 

Regimento Interno e Resoluções do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Clique nos títulos para download)

NORMAS GERAIS

1. RESOLUÇÃO Nº 05/2006 DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO.

Dispõe sobre critérios do Regime de Promoção, das Avaliações Parciais.

2. RESOLUÇÃO Nº 02/2005 DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO.

Dispõe sobre critérios para revisão de prova

3. RESOLUÇÃO Nº 03/2005 DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO.

Dispõe a respeito das atividades de Estágio dos Cursos de Licenciatura.

4. RESOLUÇÃO Nº 04/2005 DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO.

Dispõe sobre critérios para aluno que perde trabalhos feitos em sala de aula.

Com ótimo desempenho em avaliação realizada em 2018, o curso de Arquitetura e Urbanismo do UNICERP tem nota 4 pelo MEC – em uma escala que vai de 1 a 5. Avaliadores indicados pelo MEC analisaram in loco o projeto pedagógico do curso, o nível de titulação dos professores e a estrutura física oferecida a alunos e professores.

Fale com a coordenadora do curso, Profa. Michelle Ramos Bernardes Dias Martins

Telefone geral: (34) 3839.3737 – Ramal: 242

Secretaria da coordenação: (34) 3839.3710

E-mail: arquitetura@unicerp.edu.br

Estágio curricular

É obrigatório e orientado. Pode ser realizado em qualquer empresa comercial, industrial ou de prestação de serviços, bem como órgão ou função pública, que ofereça a oportunidade ao aluno para atuar em qualquer área afim da arquitetura e urbanismo. É obrigatório apresentação de Trabalho de Conclusão de Curso.

A Resolução Nº2/2010 altera dispositivos da Resolução CNE/CES nº6/2006 e diz:

Art. 7º O estágio curricular supervisionado deverá ser concebido como conteúdo curricular obrigatório, cabendo à Instituição de Educação Superior, por seus colegiados acadêmicos, aprovar o correspondente regulamento, abrangendo diferentes modalidades de operacionalização.

§ 1º Os estágios supervisionados são conjuntos de atividades de formação, programados e diretamente supervisionados por membros do corpo docente da instituição formadora e procuram assegurar a consolidação e a articulação das competências estabelecidas.

§ 2º Os estágios supervisionados visam a assegurar o contato do formando com situações, contextos e instituições, permitindo que conhecimentos, habilidades e atitudes se concretizem em ações profissionais, sendo recomendável que suas atividades sejam distribuídas ao longo do curso.

§ 3º A instituição poderá reconhecer e aproveitar atividades realizadas pelo aluno em instituições, desde que contribuam para o desenvolvimento das habilidades e competências previstas no projeto de curso.

Parágrafo único. É obrigatório o trabalho final de curso como atividade de síntese e integração de conhecimento.

Como o graduando de arquitetura e urbanismo do UNICERP deverá cumprir o estágio supervisionado distribuído em períodos diferentes, propiciará uma sólida consolidação de seu conhecimento, tendo em vista que o estágio será acompanhado por profissionais já formados que os receberão no ambiente de trabalho e por um professor orientador. Espera-se assim atingir o objetivo de trazer o conteúdo teórico aplicado à prática e preparar o aluno para ser um profissional criativo, crítico, proativo, capaz.

 

TCC (Trabalho de Conclusão de Curso)

O Colegiado do Curso Superior de Arquitetura e Urbanismo do UNICERP instituiu o Trabalho de Conclusão de Curso como requisito necessário para a obtenção do grau de bacharel em Arquitetura e Urbanismo. O TCC do Curso Superior de Arquitetura e Urbanismo do UNICERP tem norma específica, elaborada e aprovada pelo Colegiado do Curso.

O trabalho é apresentado a uma banca examinadora formada por professores do Unicerp que avaliam a relevância do trabalho científico apresentado, assim como sua estrutura e metodologia aplicada. O aluno deve obter nota mínima de 70% como requisito para aprovação.

O Trabalho Final de Graduação é para os arquitetos e urbanistas o mais apropriado exame dentre os “exames nacionais com base nos conteúdos mínimos estabelecidos para cada curso”. Esta compreensão é unânime, tendo sido aprovada, durante o ano de 1995, no Conselho Superior do Instituto de Arquitetos do Brasil - COSU.IAB/ Ouro Preto; no Encontro

Nacional de Estudantes de Arquitetura - ENEA/ Santos; no Encontro Nacional de Sindicatos de Arquitetos - ENSA/Campo Grande e no Congresso Nacional da Associação Brasileira de Ensino de Arquitetura - CONABEA/ Brasília.

Foi a “cultura” profissional sobre avaliação que permitiu imaginar, bem ao feitio dos arquitetos e urbanistas, um trabalho ao final da graduação, capaz de permitir perceber a qualificação dos formandos para o futuro exercício profissional.

Aspectos da concepção adotada pelas diretrizes curriculares de dezembro de 1994 já vinham sendo desenvolvidos pela maioria dos cursos, com sucesso, entre os vários segmentos das Instituições de Ensino Superior de Graduação em Arquitetura e Urbanismo, permitindo constatar, além de resultados avaliáveis, a avaliação externa a estas instituições.

O Trabalho Final de Graduação é realizado individualmente, pelos alunos em fase de conclusão do Curso de Graduação. É um trabalho que demonstra o domínio sobre os conhecimentos essenciais e a capacidade de resolver problemas de arquitetura e urbanismo. Um dos seus objetivos é avaliar previamente o domínio das competências - atividades e atribuições, para o exercício profissional e para a consequente responsabilidade técnica e social dele decorrente. Outro objetivo é avaliar o domínio dos conhecimentos necessários ao desempenho das atividades e ao exercício das atribuições que confere a habilitação profissional. Sendo obrigatório para todos os formandos e realizado com base em diretriz única e geral para todos os cursos e estudantes, é de caráter universal.

Permite avaliar o desempenho do futuro profissional no que se refere ao seu “talento”- ou dom, ou criatividade. A exigência do talento existente na área e considerada na avaliação não deve ser exacerbada em detrimento da avaliação do domínio de conhecimentos essenciais e da capacidade de resolver problemas, sem os quais não se exercita com responsabilidade técnica e social a profissão. O exercício ético da profissão deve ser visto como exigência de uma determinada criatividade, de uma estética, e de um saber técnico, próprios aos arquitetos e urbanistas e que constituem a identidade disciplinar frente a si próprio, à sua categoria, e à sociedade à qual pertence.

Para realizar o Trabalho Final de Graduação o formando conta obrigatoriamente com a orientação de professor arquiteto e urbanista, por ele escolhido dentre os seus professores ao longo do curso. Esta concepção de orientação em muito se inspira na ideia do atelier – mestres e aprendizes juntos trabalhando, tão cara aos arquitetos e urbanistas.

A proposta apresentada pela área de Arquitetura e Urbanismo para o exame nacional previsto em lei, valoriza a conclusão do curso, fazendo dele um momento de comprovação - um rito de passagem da fase de aprendiz à fase de profissional.

A Resolução Nº2/2010 altera dispositivos da Resolução CNE/CES nº6/2006 e diz:

Art. 9º O Trabalho de Curso é componente curricular obrigatório e realizado ao longo do último ano de estudos, centrado em determinada área teórico-prática ou de formação profissional, como atividade de síntese e integração de conhecimento e consolidação das técnicas de pesquisa, e observará os seguintes preceitos:

I - trabalho individual, com tema de livre escolha do aluno, obrigatoriamente relacionado com as atribuições profissionais;

II - desenvolvimento sob a supervisão de professor orientador, escolhido pelo estudante entre os docentes do curso, a critério da Instituição;

Parágrafo único. A instituição deverá emitir regulamentação própria, aprovada pelo seu Conselho Superior Acadêmico, contendo, obrigatoriamente, critérios, procedimentos e mecanismo de avaliação, além das diretrizes e técnicas relacionadas com sua elaboração.

Clique aqui e acesse o arquivo 

  • Arquitetura e Urbanismo
  • Paisagismo
  • História da Arte e Arquitetura
  • Arquitetura de Interior
  • Patrimônio Histórico

Perfil

O Art. 4º da resolução nº2, 17 de junho de 2010, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo diz que o egresso deverá alcançar os resultados no curso, com o seguinte perfil:

  • sólida formação de profissional generalista;
  • aptidão em compreender e traduzir as necessidades de indivíduos, de grupos sociais e comunidade, com relação à concepção, organização e construção do espaço interior e exterior, abrangendo o urbanismo, a edificação e o paisagismo.
  • construção e valorização do patrimônio construído.
  • proteção do equilíbrio do ambiente natural e a utilização racional dos recursos disponíveis.
  • sólida formação em práticas projetuais em diferentes escalas, sendo apto a integrar conhecimentos técnicos, teóricos, históricos e estéticos em propostas projetuais, utilizando as diversas expressões contemporâneas do desenho.
  • profissional capacitado a identificar, investigar e elaborar novas questões e soluções construtivas para diversas finalidades, quanto no âmbito da paisagem e do território compreendido de modo amplo.

 

Competências e Habilidades

Os discentes formados no curso bacharelado em Arquitetura e Urbanismo do UNICERP devem garantir o desenvolvimento das competências e habilidades esperadas, através da correlação entre a teoria e pratica. Assim a instituição deve proporcionar ao egresso:

  •  O conhecimento dos aspectos antropológicos, sociológicos e econômicos relevantes para a sociedade no qual encontra-se inserido.
  •  Questões relevantes para informar e preservação da paisagem (natural ou não). Estudo de impacto no meio ambiente, com vistas ao equilíbrio ecológico e desenvolvimento sustentável.
  •  Habilidade de conceber projetos de arquitetura, urbanismo, paisagismo e arquitetura de interiores.
  •  Analise e execução de fatores de custo, durabilidade, manutenção e de especificação, bem como regulamentos e normas legais, de modo a satisfazer as exigências culturais, econômicas, estéticas, técnicas, ambientais e de acessibilidade dos usuários.
  •  Fortalecer a fonte de conhecimento da história das artes e da estética, para auxiliar na parte pratica de projetos de arquitetura, urbanismo e paisagismo.
  •  Ter como objetivo a reflexão crítica e a pesquisa, adquiridos através dos conhecimentos de teoria e história da arquitetura, do urbanismo, e do paisagismo, todos inseridos no contexto social, cultura, político e econômico.
  •  Conhecer e dominar as metodologias de pesquisa em planejamento urbano e regional, urbanismo e desenho urbano, assim como o conhecimento dos sistemas de infraestrutura e de transito, necessários para o bom funcionamento das cidades.
  •  Apresentação de técnicas construtivas e de materiais, que sejam adequado e econômicos para a construções. Definição de instalações e equipamentos predais, bem como gerenciamento e organização de obras.
  •  Compreensão e pré-definição dos sistemas estruturais e dos projetos estruturais, tendo como fundamento os estudos de resistência dos materiais, estabilidade das construções e fundações.
  •  Conhecimento e entendimento das condições climáticas, acústicas, luminicas e energéticas, e o domínio das técnicas apropriadas e elas associadas.
  •  Preservação das cidades, das edificações e construções, associadas as práticas projetuais e as soluções tecnológicas, conservação, reconstrução, reabilitação, restauro, reutilização.
  •  Ter como embasamento profissional habilidade de desenho, domínio da geometria, e de suas aplicações através de outros meios de expressão e representação, como perspectiva, modelagem, maquetes, modelos e imagens virtuais.
  •  Embasamento e conhecimento a informática aplicada especifica, para o tratamento de informações e representação à arquitetura, urbanismo, paisagismo e planejamento urbano e regional.
  •  Habilidade na leitura topográfica e nos estudos de insolação de ventilação natural para a inserção da obra no local, proporcionando fonte de conhecimento para o conforto ambiental.

 

Atribuição no mercado de trabalho

A lei de Nº 12.378 de 31 de dezembro de 2010, regulamenta o exercício da Arquitetura e Urbanismo, com a criação do Conselhos de arquitetura e Urbanismo dos estados e do Distrito Federal. Nesta lei se apresenta em plenitude as condições para a efetiva individualização da Arquitetura e Urbanismo e para sua diferenciação em relação as demais profissões regulamentadas.

No artigo 2º as atividades, atribuições e atuação consistem em:

  • Arquitetura e Urbanismo, concepção e execução de projetos;
  • Arquitetura de Interiores, concepção e execução de projetos de ambientes;
  • Arquitetura Paisagística, concepção e execução de projetos para espaços externos, livres e abertos, privados ou públicos, como parques e praças, considerados isoladamente ou em sistemas, dentro de várias escalas, inclusive a territorial;
  • Patrimônio Histórico Cultural e Artístico, arquitetônico, urbanístico, paisagístico, monumentos, restauro, práticas de projeto e soluções tecnológicas para reutilização, reabilitação, reconstrução, preservação, conservação, restauro e valorização de edificações, conjuntos e cidades;
  • Planejamento Urbano e Regional, planejamento físicoterritorial, planos de intervenção no espaço urbano metropolitano e regional fundamentados nos sistemas de infraestrutura, saneamento básico e ambiental, sistema viário, sinalização, tráfego e trânsito urbano e rural, acessibilidade, gestão territorial e ambiental, parcelamento do solo, loteamento, desmembramento, remembramento, arruamento, planejamento urbano, plano diretor, traçado de cidades, desenho urbano, sistema viário, tráfego e trânsito urbano e rural, inventário urbano e regional, assentamentos humanos e requalificação em áreas urbanas e rurais;
  • Topografia, elaboração e interpretação de levantamentos topográficos cadastrais para a realização de projetos de arquitetura, de urbanismo e de paisagismo, fotointerpretação, leitura, interpretação e análise de dados e informações topográficas e sensoriamento remoto;
  • Tecnologia e resistência dos materiais, dos elementos e produtos de construção, patologias e recuperações;
  • Sistemas construtivos e estruturais, estruturas, desenvolvimento de estruturas e aplicação tecnológica de estruturas;
  • Instalações e equipamentos referentes à arquitetura e urbanismo;
  • Conforto Ambiental, técnicas referentes ao estabelecimento de condições climáticas, acústicas, lumínicas e ergonômicas, para a concepção, organização e construção dos espaços;
  • Meio Ambiente, Estudo e Avaliação dos Impactos Ambientais, Licenciamento Ambiental, Utilização Racional dos Recursos Disponíveis e Desenvolvimento Sustentável;
  • supervisão, coordenação, gestão e orientação técnica;
  • coleta de dados, estudo, planejamento, projeto e especificação;
  • estudo de viabilidade técnica e ambiental;
  • assistência técnica, assessoria e consultoria;
  • direção de obras e de serviço técnico;
  • vistoria, perícia, avaliação, monitoramento, laudo, parecer técnico, auditoria e arbitragem;
  • desempenho de cargo e função técnica;
  • treinamento, ensino, pesquisa e extensão universitária;
  • desenvolvimento, análise, experimentação, ensaio, padronização, mensuração e controle de qualidade;
  • elaboração de orçamento;
  • produção e divulgação técnica especializada;
  • execução, fiscalização e condução de obra, instalação e serviço técnico.

ALVES, Paulyne Silva Borges. REQUALIFICAÇÃO URBANA DA LINHA FÉRREA DE PATROCÍNIO/MG. 2019. 115 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

ANDRADE, Jaqueline da Silva. COWORKING: Nova forma de pensar o ambiente de trabalho. 2019. 132 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

BORGES, Arthur Nunes Paiva. Vão: Amplificador de usos para a Praça Queiroz Teles. 2019. 164 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

BORGES, Letícia Juliana. HABITAÇÃO POPULAR: ARQUITETURA E SOCIEDADE. 2019. 103 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

BRANDÃO, Marcela Lemos. DAYCARE PARA IDOSOS. 2019. 191 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

CAIXETA, Larissy Kelly. RESPIRO URBANO: Requalificação do Parque Urbano da Matinha. 2019. 103 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

DIAS, Cezar Victor. BRICKHAUS: Espaço para festas e eventos. 2019. 106 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

FERREIRA, Paulo Vítor. REVITALIZAÇÃO DO CENTRO ESPORTIVO PAULO CÉSAR DE LIMA: Vila Olímpica Peúca. 2019. 166 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

FONSECA, Jéssica Cristina. CENTRO DE ACOLHIMENTO E BEM-ESTAR ANIMAL. 2019. 159 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

GONÇALVES, Maraísa Cristina. CENTRO DE CONVIVÊNCIA PARA A TERCEIRA IDADE. 2019. 110 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

GUIMARÃES, Mariana Cunha. NOVA PROPOSTA PARA ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. 2019. 102 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

MAGALHÃES, Rhainne Machado. COMPLEXO CULTURAL E LAZER DE PATROCÍNIO. 2019. 94 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

PARRO, Alyne Cristina da Silva. PRAÇA CULTURAL: O Vazio Efêmero. 2019. 113 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

QUEIROZ, Dayane Mendes. RESTAURAÇÃO E REVITALIZAÇÃO DO EDIFÍCIO DA ANTIGA CADEIA DE PATROCÍNIO. 2019. 143 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

QUEIROZ, Letícia. RENASCER CENTRO DE CONVIVÊNCIA PARA TERCEIRA IDADE. 2019. 158 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

REIS, Ericka Taciana Ferreira dos. HOSTEL GRÃO DO CERRADO: Uma alternativa de hospedagem. 2019. 68 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

SILVA JÚNIOR, Altemar Ferreira da. Pequis em Jardins: O Jardim Botânico em Patrocínio. 2019. 175 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

SILVA, Fabrício Ferreira. IMPLANTAÇÃO DE UM CENTRO CULTURAL NO SETOR OESTE DA CIDADE DE PATROCÍNIO - MG. 2019. 98 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

SOUZA, Amanda Rodrigues de. TOPO DA SERRA: Revitalização da Serra do Cruzeiro. 2019. 145 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

SOUZA, Cynthia Araújo de. ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO DE ARQUITETURA PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE – UBS PORTE II. 2019. 76 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.

SOUZA, Luana Cássia. PRAÇA NOVO OLHAR E CENTRO CULTURAL DOM CAFÉ. 2019. 141 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Patrocínio/MG, 2019.