Agronegócio

Denominação

Curso de Tecnologia em Agronegócio

Turno de funcionamento

Noturno

Número de vagas anuais

50

Duração

3 anos, perfazendo um total de 2.720 horas

Limite Mínimo: 06 semestres

Limite Máximo: 08 semestres

Dimensionamento das turmas

Turmas com no máximo 50 alunos

Regime de matrícula

Semestral

Mensalidades (2019)

1º período - R$ 723,00

3º período - R$ 723,00

Ato regulatório

Modalidade: Tecnológico em Agronegócio. Renovação de Reconhecimento pelo MEC conforme Portaria nº 819 de 31/12/2014, Data de publicação 02/01/2015

Coordenação

Prof. Darlan Leite da Silva Marques

Formação: Experiência na área de administração, com ênfase em gestão de cooperativas e agronegócio. Especialização em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas. Bacharel em Gestão de Cooperativas pela Universidade Federal de Viçosa.

Ano que ingressou na instituição: 2014

Lattes: http://lattes.cnpq.br/9396814743047973

Sobre o curso

Abrange o conjunto de todas as operações e transações envolvidas, antes, dentro e fora da porteira, desde a fabricação dos insumos agropecuários, das operações de produção nas propriedades rurais, até o processamento, distribuição e consumo dos produtos agropecuários “in natura” ou industrializados. O gestor em agronegócio exerce atividades relacionadas à concepção, projeto e gestão de sistemas agrícolas e agroindustriais, dimensiona e administra frota de máquinas e implementos agrícolas, administra o sistema de produção agrícola utilizando conceitos de agricultura de precisão, visando a otimização do uso dos insumos agrícolas e a minimização dos efeitos advindos da produção agrícola no ambiente, administra unidades armazenadoras visando o pré-processamento e o processamento de produtos agrícolas, dentre outras atividades.

Mercado de trabalho

O mercado continua em alta, e há perspectiva de crescimento para os próximos anos. O tecnólogo tem como função trabalhar em todas as etapas da produção e terá disciplinas como Administração em Agronegócios, Cadeias Produtivas, Contabilidade Rural, Análise de Custo e Investimentos, Empreendedorismo e Planejamento Estratégico, entre outras.

 

QUANTO GANHA UM TECNÓLOGO EM AGRONEGÓCIO?*

*Fonte: Educa Mais Brasil

Ganho inicial

R$ 1.412,06 a R$ 2.338,37

Intermediário

R$ 1.867,45 a R$ 2.689,13

Ganho no auge

R$ 2.147,57 a R$3.556,38

Formas de acesso ao curso

O acesso ao curso de Agronegócio do UNICERP pode ser feito por uma das opções abaixo:

• Exame vestibular realizado anualmente;

• Pela nota do ENEM;

• Matrícula com isenção de processo seletivo (vestibular) para portadores de diploma de graduação (para vagas remanescentes);

• Matrículas decorrentes de transferências externas para alunos cursando Agronegócio em outras IES (para vagas remanescentes);

• Matrícula decorrente de mudança de curso, para alunos já matriculados em outros cursos do UNICERP (para vagas remanescentes).

Mais informações

Entende-se por Atividades Complementares aquelas realizadas pelo aluno do curso de Agronegócio e relacionadas com os conteúdos ministrados durante o desenvolvimento do curso e são relacionadas a seguir:

I – atividades voluntárias desenvolvidas com organizações privadas, públicas e não governamentais que estejam de acordo com o contexto básico da profissão;

II – participação em palestras;

III – participação em seminários, mesas redondas, fóruns, simpósios e congressos;

IV – iniciação científica;

V – produção de artigo científico desde que seja submetido ou aprovado em congressos ou revistas científicas da área ou de áreas afins;

VI – participação em núcleo de estudos e/ou de pesquisas;

VII – participação em atividades de extensão;

VIII – disciplinas extracurriculares internas levando em consideração critérios de afinidade com o curso de Agronegócio.

Clique e acesse o regimento das Atividades Complementares

As formas de avaliação são normatizadas pelo Regimento Interno e Resoluções do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão.

REGIMENTO GERAL DO UNICERP - Aprovado em reunião do Conselho Universitário do Centro Universitário do Cerrado Patrocínio - UNICERP, em reunião no dia 26 de dezembro de 2006.

 

CAPÍTULO VI

DO REGIME DE PROMOÇÃO

SEÇÃO I

DAS AVALIAÇÕES PARCIAIS

Art. 116 – A verificação do desempenho acadêmico será feita por disciplina, compreendendo a apuração do rendimento escolar e da assiduidade.

Art. 117 – O rendimento escolar será aferido através de avaliações parciais realizadas ao longo do semestre letivo e pelo exame final.

Parágrafo Único – As avaliações para aferimento do rendimento escolar, de acordo com a natureza da disciplina, poderão ser realizadas de múltiplas formas, processos e técnicas adequadas a cada situação, conforme normas a serem baixadas pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão.

Art. 118 – Ao final de cada bimestre letivo será atribuído ao aluno uma nota resultante da somatória de pelo menos, duas formas de avaliação.

§ 1º Nas disciplinas com mais de duas aulas semanais deverão ser aplicadas pelo menos duas provas escritas e uma outra forma de avaliação.

§ 2º Será facultado, nas disciplinas com até 2 (duas) aulas semanais, ouvido o Colegiado de Curso, a aplicação de apenas uma prova escrita e outra forma de avaliação, para obtenção da nota bimestral.

§ 3º Ficarão a critério do Colegiado de Curso, aprovados pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, a forma e o número de avaliações nas disciplinas ministradas nos estágios supervisionados.

Art. 119 – A forma e os critérios estabelecidos para obtenção das médias bimestrais de cada disciplina deverão constar dos planos de ensino aprovados pelo Colegiado de Curso, os quais deverão ser comunicados aos alunos no início do semestre letivo.

Parágrafo Único – Caberá ao professor da disciplina escolher a forma de avaliação e sua aplicação, bem como proceder ao respectivo julgamento.

Art. 120 – O resultado da avaliação bimestral será expresso em escala de (0) zero a (100) cem, sem casa decimal.

Art. 121 – É assegurado ao aluno o direito de requerer, via Protocolo, a revisão de provas escritas e gráficas, desde que devidamente fundamentada e no prazo de 48 (quarenta e oito) horas a contar da divulgação da nota pelo professor em sala de aula.

Parágrafo Único – O processo de revisão de prova e seus possíveis recursos serão regulamentados pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão.

Art. 122 – O aluno que deixar de comparecer à prova escrita, gráfica, oral ou de outra forma de avaliação pré-determinada, bem como ao exame final, deverá requerer segunda chamada junto ao Protocolo, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, justificando a ausência e apresentando documento comprobatório, se solicitado.

Parágrafo Único – Caberá ao Diretor de Ensino de Graduação, com base no parecer do professor da disciplina, o deferimento ou não do pedido.

Art. 123 – As notas bimestrais e a média resultante do exame final deverão ser encaminhadas ao setor competente nos prazos fixados pelo calendário escolar.

 

SEÇÃO II

DOS EXAMES FINAIS

Art. 124 – Será concedido exame final ao aluno que, com frequência mínima de 75 (setenta e cinco por cento) obtiver na disciplina, média inferior a 60 (sessenta) e igual ou superior a 40 (quarenta).

Art. 125 – Não haverá exame final nas disciplinas que envolvam conteúdos essencialmente práticos.

§ 1º Além dos estágios supervisionados, os Colegiados de Cursos poderão indicar outras disciplinas que, por sua natureza essencialmente prática, torna impossível ou inadequada a aplicação do exame final, a serem aprovadas pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão.

§ 2º A nota mínima de aprovação, nestes casos, deverá ser igual ou superior a 60 sessenta.

 

SEÇÃO III

DA APROVAÇÃO E REPROVAÇÃO

Art. 126 – Será considerado aprovado, em cada disciplina, sem exame final, o aluno que, cumprir a exigência de 75% (setenta e cinco por cento) de frequência, obtiver média igual ou superior a 60 (sessenta), resultante da média aritmética das notas atribuídas nos bimestres, passando esta média a constituir sua nota final na disciplina.

Art. 127 – Será considerado aprovado, após o exame final, o aluno que obtiver média final 60 (sessenta), resultante da média aritmética entre a média semestral e a nota do exame final.

Art. 128 – Será considerado reprovado na disciplina o aluno que:

a) tiver média semestral inferior a 40 (quarenta);

b) tiver obtido média semestral inferior a 60 (sessenta), após a realização do exame final;

c) tiver frequência inferior a 75% (setenta e cinco por cento); que podem ser acessados nos links abaixo: [o arquivo está disponibilizado em pdf].

 

Regimento Interno e Resoluções do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Clique nos títulos para download)

NORMAS GERAIS

1. RESOLUÇÃO Nº 05/2006 DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO.

Dispõe sobre critérios do Regime de Promoção, das Avaliações Parciais.

2. RESOLUÇÃO Nº 02/2005 DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO.

Dispõe sobre critérios para revisão de prova

3. RESOLUÇÃO Nº 03/2005 DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO.

Dispõe a respeito das atividades de Estágio dos Cursos de Licenciatura.

4. RESOLUÇÃO Nº 04/2005 DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO.

Dispõe sobre critérios para aluno que perde trabalhos feitos em sala de aula.

O curso de Tecnologia em Agronegócio do UNICERP tem um excelente conceito 4 (de no máximo 5) pelo MEC. A última avaliação in loco do curso aconteceu em 2013, feita por avaliadores nomeados pelo Ministério da Educação e que analisaram variados pontos: projeto pedagógico, titulação dos professores, infraestrutura.

Fale com o coordenador do curso, Prof. Darlan Leite da Silva Marques

Telefone geral: (34) 3839.3737 – Ramal: 254

Secretaria da coordenação: (34) 3839.3710

E-mail: agronegocio@unicerp.edu.br

Redes sociais: www.facebook.com/agronegociounicerp.unicerp

Estágio curricular

O Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório tem como objetivo proporcionar ao aluno a realização de atividades práticas nas diferentes áreas de atuação do Tecnólogo em Agronegócio, bem como contribuir para a solução de problemas específicos da área.

Clique aqui e acesse o arquivo

 

TCC (Trabalho de Conclusão de Curso)

O TCC é um projeto científico, obrigatoriamente desenvolvido na área das ciências da saúde, de acordo com as linhas de pesquisa definidas no Conselho de Curso e aprovadas pelo Colegiado do Curso. O TCC é composto por um projeto no qual o aluno demonstrará a sua competência para desenvolver pesquisa, aplicar metodologia apropriada, identificar as variáveis e correlacioná-las e, ao final do curso, elaborar o texto de conclusão da pesquisa, a ser apresentado em forma de monografia, segundo as normas do UNICERP e as normas da ABNT.

Clique aqui e acesse o arquivo

  • Gestão de Recursos Humanos em Agronegócio
  • Gestão Financeira em Agronegócio
  • Gestão Mercadológica em Agronegócio
  • Gestão da Informação em Agronegócio
  • Gestão de Operações e da Qualidade em Agronegócio
  • Gestão Ambiental em Agronegócio
  • Gestão Empreendedora e de Novos Negócios em Agronegócio
  • Cadeias produtivas do Agronegócio

Coopa – Cooperativa Agropecuária de Patrocínio Ltda.

Expocaccer – Cooperativa dos Cafeicultores do Cerrado Mineiro

Perfil

O profissional do agronegócio viabiliza soluções tecnológicas competitivas para o desenvolvimento de negócios na agropecuária a partir do domínio dos processos de gestão e das cadeias produtivas do setor. Prospecção de novos mercados, análise de viabilidade econômica, identificação de alternativas de captação de recursos, beneficiamento, logística e comercialização são algumas das atividades gerenciadas por esse profissional. Ele deve estar atento às novas tecnologias do setor rural, à qualidade e produtividade do negócio, definindo investimentos, insumos e serviços, visando à otimização da produção e o uso racional dos recursos, respeitando a sustentabilidade do ambiente.

 

Finalidades

O curso Superior de Tecnologia em Agronegócio visa formar profissionais (Tecnólogos em Agronegócio) com capacidade de atuar em atividades próprias ao campo profissional do agronegócio, viabilizando soluções tecnológicas competitivas para o desenvolvimento de negócios na agropecuária, a partir do domínio dos processos de gestão e das cadeias produtivas do setor.

 

Objetivos

Objetivo geral

O curso objetiva formar profissionais empreendedores com uma visão sistêmica do mercado interno e externo, atuando como agentes de exportação e importação de insumos e produtos agrícolas, bem como os provenientes da agroindústria e também administrar atividades de produção, comercialização e industrialização atinentes ao ramo. Além disso, o curso tem como escopo a internalização de valores de responsabilidade social, justiça e ética profissional para a aplicação do conhecimento de formação técnica e científica para atuação junto à gestão das organizações rurais e agroindustriais. Assim sendo, pretende-se preparar profissionais capacitados para atuar em equipes multidisciplinares, compreender a necessidade do contínuo aperfeiçoamento profissional, a assessorar agricultores e agroindústrias na prática de formas associativas e cooperativas, apoiar iniciativas associativas no setor do agronegócio, colaborar no planejamento e na organização de agroindústrias de acordo com as potencialidades locais.

 

Objetivos específicos

Estimular o desenvolvimento de pensamento reflexivo do aluno, aperfeiçoando sua capacidade investigativa, inventiva e solucionadora de problemas.

Formação de profissionais com senso de cidadania ampliado pelo exercício acadêmico, voltando-o para reflexões críticas de natureza humana, social, ambiental e organizacional;

Estimular o desenvolvimento humano do aluno envolvendo-o na vida da Instituição a fim de compreender, desde cedo, a importância do papel do exercício profissional como instrumento de promoção de transformação social, política, econômica, cultural e ambiental.

Exercitar a autonomia no aprender buscando constantemente o aprimoramento profissional através da educação continuada.

Desenvolver sua habilidade de expressão e comunicação.

Aprimorar sua capacidade de trabalhar em equipe, desenvolvendo o relacionamento interpessoal e exercitando a cooperação.

Aprimorar valores éticos e humanísticos essenciais para o exercício profissional tais como a solidariedade, respeito à vida humana, convivência com a pluralidade e a diversidade de pensamento.

Estimular a investigação científico-tecnológica por meio de iniciação científica.

Dotar o aluno de visão sistêmica a fim de formar um profissional capacitado para solucionar problemas nos setores agropecuário e agroindustrial.

Despertar, desde cedo, o espírito empreendedor do aluno, estimulando-o a participar da geração de soluções inovadoras no âmbito do Agronegócio e a desenvolver visão crítica para percepção de oportunidades de negócios.

Proporcionar a formação de profissionais que possam atuar em atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão.

Instigar o aprendizado dos procedimentos e das técnicas e o manuseio apropriado dos recursos tecnológicos aplicados na prática profissional.

Estimular o relacionamento com empresas dos diversos segmentos de atuação do profissional Tecnólogo em Agronegócio.

Reconhecer os limites e as possibilidades da sua prática profissional.

*Clique no título do trabalho para acessar em PDF

APARECIDO, Talia Veloso. GESTÃO DA PROPRIEDADE RURAL COMO MECANISMO DE AGREGAÇÃO DE VALOR PARA O CAFEICULTOR: um estudo de caso em propriedades da região do Cerrado Mineiro. 2017. 25 f. TCC (Graduação) - Curso de Agronegócio, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio - Unicerp, Patrocínio/MG, 2017.

FERREIRA, Maria Eugênia Machado. CONTAS A RECEBER: Um estudo numa empresa de agronegócio no município de Patrocínio – MG. 2017. 17 f. TCC (Graduação) - Curso de Agronegócio, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio - Unicerp, Patrocínio/MG, 2017.

OLIVEIRA, Edicleia Sueny de. CERTIFICAÇÃO DE CAFÉ: Um estudo sobre a manutenção da Certificação Rainforest Alliance em uma propriedade rural no Município de Patrocínio. 2017. 22 f. TCC (Graduação) - Curso de Agronegócio, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio - Unicerp, Patrocínio/MG, 2017.

OLIVEIRA, Gabriel Silva. PROJETO TÉCNICO DE RECONSTITUIÇÃO DA FLORA (PTRF): Como ferramenta de regularização ambiental. 2017. 24 f. TCC (Graduação) - Curso de Agronegócio, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio - Unicerp, Patrocínio/MG, 2017.

OLIVEIRA, Rafaela Gomes de. A CERTIFICAÇÃO AGRÍCOLA: Um estudo de caso em uma propriedade rural certificada na região do Cerrado Mineiro. 2017. 26 f. TCC (Graduação) - Curso de Agronegócio, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio - Unicerp, Patrocínio/MG, 2017.

QUEIROZ, Angélica Cristina Lima. MARKETING NO AGRONEGÓCIO: Ferramentas e estratégias utilizadas para a comunicação com o produtor rural. 2017. 22 f. TCC (Graduação) - Curso de Agronegócio, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio - Unicerp, Patrocínio/MG, 2017.

RODRIGUES, Matheus Faria. GESTÃO DE PROPRIEDADE LEITEIRA: Um estudo de caso em uma propriedade rural no Município de Patrocínio/MG. 2017. 24 f. TCC (Graduação) - Curso de Agronegócio, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio - Unicerp, Patrocínio/MG, 2017.

XAVIER, André Júnior. GESTÃO DE ESTOQUES: uma abordagem teórica. 2017. 20 f. TCC (Graduação) - Curso de Agronegócio, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio - Unicerp, Patrocínio/MG, 2017.